Apas 2016 teve clima favorável e mais expositores de pescado

Apas 2016 teve clima favorável e mais expositores de pescado

Número de estandes com peixes e frutos do mar passou de 50 este ano, com muitas novidades em produtos e o pescado seguindo as tendências do varejo

11 de maio de 2016

arroba publicidade
Às vésperas da feira Apas 2016, realizada entre 02 e 05 de maio, a Associação Brasileira de Supermercados (Abras) soltou um indicador positivo pela primeira vez em alguns meses. Entre janeiro e março, as vendas do setor supermercadista haviam aumentado 1,18% na comparação com o mesmo período do ano anterior.

O principal motivo foi a Páscoa, que neste ano foi antecipada e concentrou as vendas em março. Por este motivo, dá para dizer que o pescado deu um bom empurrãozinho nas vendas do mês, que cresceu 8,44% em valores reais ante fevereiro e 4,16% na comparação com o mesmo mês de 2015.

Este clima se refletiu nos mais de 50 estandes com pescado da feira neste ano. Embora a diminuição da presença internacional de expositores do ramo tenha ficado evidente, principalmente nos estandes da Argentina e Peru, a percepção de que o setor teve um desempenho surpreendente de vendas em 2016 era geral.

Consultados pela reportagem da Seafood Brasil, os expositores foram unânimes em afirmar que as expectativas eram baixas para 2016, depois de um 2015 "muito ruim", então a alta de vendas foi, de certa forma, inesperada e bem-vinda. (confira a cobertura completa da Apas 2016 na edição #14 da Seafood Brasil, que circulará em meados de junho).

A situação do Chile após a bloom de algas em janeiro canalizou boa parte das atenções da feira, como já havia acontecido nas feiras de Bruxelas e Boston. A percepção é a de que houve um desespero inicial com o impacto sobre a produção do salmão, com um correspondente reajuste de preços marcante por parte dos chilenos, mas a situação de fornecimento aos poucos se normaliza - pelo menos entre os grandes importadores e distribuidores.

Ao mesmo tempo, nota-se que já existe um movimento de diminuição da dependência chilena no fornecimento a mercados como os de culinária asiática. Algumas empresas já aproveitaram a feira para reforçar a divulgação de suas linhas de salmão selvagem do Alasca ou novidades, como trutas salmonadas peruanas ou outras espécies brasileiras, como pirarucu, tambaqui e pintado.

Tendências

O pescado se insere dentro de uma demanda muito específica dos consumidores que só cresce ano após ano: a saudabilidade. Levantamento da Kantar Worldpanel apresentado na abertura da feira mostra que a busca pela integração entre produtos saudáveis e saborosos só cresce.

Outra tendência apresentada é a reação do consumidor diante da diminuição da renda real, que caiu 5,36% em 2015. A Kantar descreve uma espécie de "volta ao lar", com as famílias buscando opções que equilibrem o orçamento doméstico. Entre elas, está a diminuição das refeições fora do lar: 500 mil pessoas deixaram de comer fora de casa em 2015 na comparação com o ano passado.

Já a Nielsen, que também divulgou estudo sobre o comportamento do cliente do varejo, apurou que o consumidor está menos leal à marca líder ou à marca de sua preferência. Só em alimentos, 42% das categorias pesquisadas tiveram trocas para marcas mais baratas, comportamento conhecido como trade down.

Leia mais sobre a Apas 2016 na Seafood Brasil #14.

Apas 2016, Kantar Worldpanel, Nielsen, Peixaria, peixe congelado, supermercados, tendências do varejo, tendências na alimentação fora do lar

 
BaresSP publicidade 980x90 bares
 

Notícias do Pescado

 

 

 
SeafoodBrasil 2019(c) todos os direitos reservados. Desenvolvido por BR3