Balança comercial cai, mas pescado tem ano positivo

Balança comercial cai, mas pescado tem ano positivo

06 de janeiro de 2014

arroba publicidade

O ano começa com uma notícia não tão boa para a balança comercial.  Apesar do resultado do ano ainda ter sido positivo, de US$ 2,6 bilhões, foi 87% inferior ao resultado do ano anterior.  Porém não é em todos os setores que o país está em queda. O setor de pescados, pelo contrário, mostra-se animado com o seu balanço do ano e pretende ampliar os investimentos. 


O resultado, analisada pelos economistas, foi o pior dos últimos 13 anos. O que forçou o resultado negativo foi o petróleo, pois tivemos uma queda na produção de combustível, o que influenciou na importação petrolífera.


Em relação à exportação, o país também cresce. O camarão está saindo do Brasil, segundo a ABCC, de agosto e até setembro de 2013, foram exportados 314 ton/US$ 2,0 milhões, cujas previsões são de chegar a 1.000 ton/US$ 7,0 milhões.

Todavia, alguns setores se sobressaíram ante a queda. Muitas empresas no ramo de seafood, por exemplo, pretendem começar 2014 com investimentos no país.

[caption id="attachment_3113" align="alignright" width="330"]download (1) Crédito da imagem: Divulgação[/caption]

Investimentos internacionais

Como o Seafood Brasil noticiou recentemente, a Quirch Foods está preparando a sua entrada no Brasil nos primeiros meses do ano. A empresa americana já trouxe representantes e vai adentrar ao mercado brasileiro com marca própria, visando o consumidor final.


O Alasca também está investindo forte no país. O salmão e o bacalhau já estão chegando a mesa dos brasileiros, com marcas como a Noronha Pescados, a Damm e a Nativ Pescados. 

[caption id="attachment_3064" align="alignleft" width="336"]peixaria(2) Crédito da imagem: Divulgação[/caption]

Negócios dobrados

Outra notícia mostra como o setor de pescados está otimista com os negócios no ano ano: a Seafood Expo Global 2014, que acontecerá em Bruxelas, Bélgica, em maio de 2014 terá uma grande participação nacional. A maior feira de pescados do mundo terá novamente estande brasileiro, e desta vez com uma área de 256 m² – mais que o dobro em relação ao de 2013, o que mostra como o país ganha cada vez importância na área.


 

Novas espécies em alta


Outras negociações entre Brasil e Canadá mostram que o comércio de pescados entre ambos deve aumentar. Depois de apresentar a lagosta em território nacional, a canadense Clearwater conseguiu a aprovação do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal (Dipoa/Mapa) para exportar a lagosta viva para o Brasil.


Entre as primeiras empresas com liberação para trazer a espécie ao país está a Lapesca, como apurou o Seafood Brasil. O que demonstra um espaço para a entrada de produtos internacionais e diferenciados.

 

Consumo aumenta 14,5%

Porém o que mais animou o setor e explicitou que o Brasil é um grande mercado para o pescado e com grande potencial para crescer veio da uma nova pesquisa do Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA), que concluiu que o Brasil se aproxima da meta da OMS de consumo de peixe por ano. 


A média por habitante ano no País alcançou 11,17 quilos em 2011; 14,5% a mais do que o ano anterior. Em dois anos (2010 e 2011), o crescimento da demanda por peixes e frutos do mar aumentou em média 23,7%.

ABCC, Alasca, balança, camarão, Canadá, Clearwater, comercial, consumo, lagosta, Panamei Foods, pescados, petróleo, Quirch Foods

 
 

Notícias do Pescado

 

 

 
SeafoodBrasil 2019(c) todos os direitos reservados. Desenvolvido por BR3