Captura de salmão selvagem no Alasca supera previsões; no Chile, produção cai

Captura de salmão selvagem no Alasca supera previsões; no Chile, produção cai

Brasileiros pagam mais barato pelo salmão chileno de cativeiro em 2015; no selvagem, queda de sockeye pode motivar busca por outras espécies

09 de setembro de 2015

arroba publicidade
236 milhões de peixes é o que a indústria do salmão do Alasca comprou dos pescadores locais até 25 de agosto deste ano. A quantidade superou a previsão total do Departamento de Pesca e Recreação do Estado norte-americano em 15 milhões de peixes; só o salmão pink teve 26 milhões de peixes a mais do que a previsão, como informa o site Fishermen's News Online.

Houve queda, no entanto, nas espécies de salmão sockeye, chum e prateado, mas a maior preocupação local parece ser com a promoção e marketing das espécies mencionadas em um cenário complicado: fortalecimento excessivo do dólar, desvalorização da moeda chinesa (yuan) e o embargo da Rússia à importação de alimentos dos Estados Unidos e da União Europeia.

A decisão do país europeu provocou uma mudança importante no mercado do salmão, já que a Noruega e a Islândia pretendem incrementar atuação para compensar a perda com a Rússia. Consultado pelo site, o Alaska Seafood Marketing Institute (ASMI) disse que a alternativa é desenvolver novos mercados fora do País e também no âmbito doméstico.

Enquanto isso, no Chile...

O último balanço da aquicultura chilena divulgado pela Subsecretaria de Pesca e Aquicultura do Chile mostra uma diminuição de 29,5% nos cultivos no período de um ano até julho de 2015 ante o mesmo período de 2014. A produção de salmão do Atlântico, do Pacífico e a truta arco-íris caiu quase pela metade, de 476 mil toneladas no ano passado para 253,6 mil toneladas em 2015.

O salmão do Atlântico, principal variedade disponível no Brasil, caiu 34,8% ante 2014, para 230 mil toneladas. Já em relação aos mexilhões (também chamados de choritos), que também já desembarcaram por aqui, a produção aumentou: o cultivo cresceu 8,1% sobre o mesmo período de 2014, para 221, 3 mil toneladas.

Junto ao contexto internacional do segmento, o efeito da produção menor sobre as exportações foi imediato. O salmão do Atlântico, que representa 49,3% da receita total com as exportações chilenas de pescado, sofreu uma desvalorização de 17,8% em relação ao ano passado.

Com a exceção da Rússia, que encontrou no Chile uma alternativa aos europeus e americanos, EUA, Japão, Brasil, China e todos os demais mercados compradores compraram salmão chileno mais barato. No caso brasileiro, os chilenos cobraram 16% menos, enquanto para a China a desvalorização foi de 31%.

Comer ou não comer salmão?

A revista Time fez esta pergunta a 5 especialistas. Confira as respostas abaixo (clique em CC para legendas em inglês).

Alasca, aquachile, ASMI, salmão chum, salmão do Atlântico, salmão sockeye

 
 

Notícias do Pescado

 

 

 
SeafoodBrasil 2019(c) todos os direitos reservados. Desenvolvido por BR3