Condições climáticas e entraves em licenciamento contêm expansão da piscicultura, diz PeixeBR

Condições climáticas e entraves em licenciamento contêm expansão da piscicultura, diz PeixeBR

Previsão era de chegar a 700 mil toneladas em 2016, mas entraves contiveram produção em 640 mil toneladas

09 de fevereiro de 2017

arroba publicidade
O ritmo de 10% a 15% de crescimento ao ano na piscicultura brasileira teve um revés em 2016. A estiagem que derrubou a capacidade dos reservatórios desde 2015, combinada à indefinição no processo de licenciamento ambiental em vários Estados, culminaram em uma expansão tímida da piscicultura em 2016.

O cultivo de peixes em cativeiro produziu no ano passado o equivalente a 640.510 toneladas, enquanto em 2015 o volume havia sido de 638 mil toneladas – um crescimento de quase 10% ante o ano anterior. A previsão para o ano passado era chegar a 700 mil toneladas. Há dois anos, o Brasil havia produzido 578,8 mil toneladas.

Os dados foram divulgados nesta terça-feira (07/02) pelo novo Conselho de Administração da Associação Brasileira da Piscicultura (PeixeBR), cujo presidente é Ricardo Neukirchner, sócio da Aquabel. Eduardo Amorim deixa a presidência, mas segue integrando o conselho.

Francisco Medeiros, mantido como secretário-executivo, apresentou um documento, intitulado “Anuário PeixeBR da Piscicultura”, que traz uma análise do cenário aquícola em 2016 em todas as regiões, com destaque aos principais Estados produtores. “De maneira geral, a seca foi muito acentuada, principalmente no açude do Castanhão, que atendia mais de 70% a 80% da piscicultura no Estado do Ceará”, relatou Medeiros.

Ele sublinhou ainda o impacto negativo da estiagem em Roraima, que atende fortemente o mercado de Manaus. “Em Minas Gerais, tivemos seca no reservatório de Furnas. Em Sorriso (MT), tivemos a paralisação de dois grandes frigoríficos e também uma questão de licenciamento ambiental, porque não são apenas as condições climáticas que impactam. Nos Estados em que isso não ocorreu tivemos crescimento acima de 15%.”

O licenciamento ambiental nos Estados e em águas da União é o maior gargalo da atividade neste momento, segundo explicou Medeiros. “Só em águas da União, existem processos, trâmites e solicitações para produzir 1,7 milhão de toneladas de peixe, mas o órgão não consegue processar a solicitação. Existe hoje estimado pela Agência Nacional de Águas uma capacidade para produzir 5,4 milhões toneladas.”

Demanda em alta

A PeixeBR defende que a atividade não cresce no ritmo da demanda, já que falta peixe no mercado – comportamento comprovado pelo alto volume de importações anuais de produtos para os quais temos soluções equivalentes, como filés brancos.

Segundo Neukirchner, a tendência é de crescimento acentuado na procura por pescado. “A grande dificuldade é crescer para atender esta demanda. Um crescimento de dois dígitos que a produção terá será facilmente absorvida pelo mercado e diminuirá o percentual de importação.”

Na visão de Medeiros, o maior rigor na fiscalização do Ministério da Agricultura sobre os filés importados vai provocar um aumento de preços destes produtos. “A diferença do filé de tilápia para o filé de peixe barato tende a diminuir. Além disso, o peixe redondo consegue chegar a um preço muito acessível.”

A PeixeBR pretende fazer uma ação de conscientização junto ao consumidor para evidenciar as diferenças entre os produtos e ressaltar a qualidade do peixe produzido nacionalmente. “A prioridade da PeixeBR é o fomento ao consumo. É uma campanha mercadológica para aumentar o consumo de peixe no Brasil, focada em pescado nacional, em cima da sustentabilidade e versatilidade das nossas espécies”, acrescenta Breno Davis, vice-presidente da entidade e CEO da Geneseas.

Para atingir a meta da entidade, que é dobrar a produção nacional em cinco anos, calcula-se um investimento necessário de R$ 7 bilhões. “O setor sinaliza que pretende investir, mas muitos estão aguardando estas definições sobre licenciamento”, diz Medeiros.

Dados e projeções

A PeixeBR decidiu fazer um levantamento próprio após constatar problemas na metodologia da Pesquisa Pecuária Municipal, realizada pelo IBGE, que passou a levantar, desde 2014, os dados da aquicultura nacional. “Para se ter uma ideia, só os 10 maiores produtores de SP, nossos associados, produzem o que o IBGE diz que o Estado todo produz”, calcula Medeiros.

Ele afirmou ainda que a PeixeBR cruza informações dos produtores associados (50% do mercado) e secretarias regionais ligadas à atividade com informações comerciais de fornecedores da cadeia produtiva, como alevinos, ração, premixes e outros. O resultado é, segundo ele, um retrato mais fiel da atividade.

Veja abaixo o desempenho, por Estado, da produção nacional da piscicultura em 2016. Os dados não incluem moluscos e crustáceos.

DESEMPENHO DA PISCICULTURA BRASILEIRA EM 2016



 

TOTAL
 

578.800T
 

638.000T
 

640.510T
 

0,39%



2014
2015
2016
 


 

NORTE
 

123.500
 

151.600
 

158.900
 

4,81%


Rondônia
40.000
65.000
74.750
15%


Acre
5.000
6.000
7.020
17%


Amazonas
23.000
25.000
27.500
10%


Roraima
20.000
21.000
14.700
-30%


Pará
15.000
18.000
19.080
6%


Amapá
500
600
650
8,33%


Tocantins
20.000
16.000
15.200
-5%


 
 
 
 
 


NORDESTE
113.500
116.600
104.680
-10,22%


Maranhão
20.000
23.000
24.150
4,88%


Piauí
13.000
16.000
17.000
6,25%


Ceara
33.000
28.000
12.000
-57,14%


Rio Grande do Norte
3.000
3.300
2.500
-24,24%


Paraíba
1.000
1.100
2.500
127,27%


Pernambuco
10.000
11.000
12.100
10,00%


Alagoas
2.500
2.700
2.830
4,80%


Sergipe
6.000
6.500
6.100
-6,15%


Bahia
25.000
25.000
25.500
2,00%


 
 
 
 
 


SUDESTE
90.000
101.500
103.830
2,29%


Minas Gerais
25.000
25.000
23.000
-8,00%


Espirito Santo
11.000
12.000
10.800
-10,00%


Rio de Janeiro
4.000
4.500
4.630
2,88%


São Paulo
50.000
60.000
65.400
9,00%


 
 
 
 
 


SUL
123.000
134.800
152.430
13,00%


Paraná
75.000
80.000
93.600
17,00%


Santa Catarina
30.000
35.300
38.830
10,00%


Rio Grande do Sul
18.000
19.500
20.000
2,56%


 
 
 
 
 


CENTRO-OESTE
128.800
133.500
120.670
-9,61%


Mato Grosso do Sul
20.000
23.000
24.150
5,00%


Mato Grosso
75.000
74.000
59.900
-19,00%


Goiás
33.000
34.000
34.000
0,00%


Distrito Federal
800
2.500
2.620
4,8%


Anuário PeixeBR da Piscicultura, Breno Davis, Eduardo Amorim, Francisco Medeiros, licenciamento ambiental, PeixeBR, Pirarucu, piscicultura, produção de pescado, Ricardo Neukirchner, tambaqui, tambatinga, tilápia

 
BaresSP publicidade 980x90 bares
 

Notícias do Pescado

 

 

 
SeafoodBrasil 2019(c) todos os direitos reservados. Desenvolvido por BR3