Estudo investiga efeitos de usinas hidrelétricas em habitats aquáticos
Aquicultura

Estudo investiga efeitos de usinas hidrelétricas em habitats aquáticos

Pesquisa é conduzida desde 2014 pela Universidade Técnica de Munique, na Alemanha (TUM)

24 de dezembro de 2020

arroba publicidade
Uma pesquisa conduzida desde 2014 pela Universidade Técnica de Munique, na Alemanha (TUM), que investiga os efeitos de usinas hidrelétricas em habitats aquáticos e peixes que se deslocam rio abaixo, descobriu que enquanto os peixes que se movem rio acima podem contornar uma barragem usando uma passagem para peixes, aqueles que migram rio abaixo frequentemente entram nas máquinas. 
 
Segundo o Seafood Source, o que os pesquisadores descobriram no processo pode melhorar o planejamento futuro da barragem, bem como a reforma das usinas hidrelétricas existentes.
 
As usinas convencionais equipadas com turbinas Pelton, Kaplan ou Francis têm alta mortalidade de peixes devido à sua alta velocidade de rotação, mudanças de pressão e forças de cisalhamento, observaram os pesquisadores.
 
Supunha-se que as usinas modernas, como parafusos de energia hidrelétrica ou usinas que usam turbinas de cabeça muito baixa (VLH), protegem melhor os peixes porque essas turbinas giram lentamente, permitindo que os peixes nadem com segurança.
 
Mas o estudo mostrou que a mortalidade e os ferimentos em peixes dependem de como as tecnologias são utilizadas, quais espécies estão presentes e quais condições são encontradas em cada local.
 
A equipe analisou até agora sete usinas de quatro tipos na Baviera, Alemanha. Os tipos de usinas analisados ​​incluem turbinas VLH, turbinas parafuso Arquimedes, usinas hidrelétricas móveis e usinas hidrelétricas convencionais, como turbinas bulbo Kaplan. A avaliação de uma usina de eixo está planejada para o futuro.
 
Para conduzir sua pesquisa, a equipe colocou redes contra fyke a jusante das turbinas, transbordamentos e passagens de peixes, capturando 70 mil peixes. O número de peixes migratórios e o tipo e gravidade de seus ferimentos foram categorizados e registrados em uma folha de dados. A mortalidade tardia dos peixes capturados foi monitorada por 72 horas. Aproximadamente 8.500 peixes também foram radiografados para verificar se havia ferimentos internos, e um sonar de imagem foi usado para obter uma compreensão do comportamento dos peixes perto da turbina e da tela.
 
Entre as descobertas dos pesquisadores foi constatado que, em um local com uma turbina VLH, a mortalidade foi muito baixa. No entanto, em outro local com uma queda maior de quatro metros, a mortalidade aumentou significativamente.
 
Também foi verificado que os peixes pequenos tendem a seguir a corrente principal e não são impedidos de passar pelas salas das turbinas por ancinhos de proteção para peixes. Já os desvios criados nas usinas de energia para peixes que migram rio acima não são usados ​​pela maioria dos peixes para a descida.
 
Além da mortalidade e lesões de peixes, a equipe também estudou mudanças no habitat acima e abaixo das barragens, incluindo avaliação sazonal da comunidade de peixes, macroinvertebrados e algas bentônicas; composição do substrato; velocidade do fluxo e parâmetros físico-químicos como temperatura, condutância específica, oxigênio dissolvido, potencial redox e pH. O relatório recomenda a criação de um novo habitat para compensar a perda devido à construção da barragem.
 
Créditos da imagem: Wikipédia
 

 
BaresSP publicidade 980x90 bares
 

Notícias do Pescado

 

 

 
SeafoodBrasil 2019(c) todos os direitos reservados. Desenvolvido por BR3