Estimativa indica produção de 90.000 toneladas de camarão no Brasil em 2019 enquanto Índia e Vietnã brigam por 1 milhão

Estimativa indica produção de 90.000 toneladas de camarão no Brasil em 2019 enquanto Índia e Vietnã brigam por 1 milhão

Assessor da ABCC diz que desarticulação de empresas âncora, junto a falta de políticas públicas e dificuldades no licenciamento explicam a disparidade

29 de janeiro de 2019

arroba publicidade
O Portal Undercurrent News divulgou dados da Conferência Global do Mercado de Frutos do Mar dos EUA (GSMC) do National Fisheries Institute realizada entre 15 e 17 de janeiro. E um dos painéis levantou a questão: quem vai atingir 1 milhão de toneladas de produção de camarão primeiro, a Índia ou o Vietnã?

Segundo o veículo, parte do público no painel do camarão fortemente apontou a Índia como a vencedora da disputa, embora vislumbre uma produção estável para os asiáticos em 2019, com o aumento da produção global.

O especialista em produção latino-americana, Bill Hoenig, disse que as metas ousadas dos dois países são possíveis. “O Vietnã e a Índia querem chegar a 1 milhão de toneladas. Essas são metas ambiciosas, mas poderiam ser atingidas”, comentou.

E no Brasil?

Procurado pela Seafood Brasil, o assessor especial da Associação Brasileira de Criadores de Camarão (ABCC), Itamar Rocha, divulgou dados sobre a produção da espécie no País. De acordo com ele, em 2016 foram produzidas 60.000 toneladas, que marcaram o início da recuperação da atividade pós-mancha branca.

O assessor informou que, nos anos seguintes, os números só aumentaram: 65.000 toneladas em 2017 e 77.000 toneladas em 2018. Para ele, as projeções apontam volumes de 90.000 toneladas e 120.000 toneladas, respectivamente, conforme tabela abaixo.



Quando perguntado o porquê do Brasil não produzir mais camarão, Rocha disse que a dificuldade tem sido na “inconsistência das suas políticas públicas”,  associada à falta de prioridade e carência de incentivos governamentais. Ele ainda considera que também são problemas a dificuldade da obtenção do licenciamento ambiental e o acesso a créditos bancários, oficiais e privados.

Segundo o assessor, a desarticulação de empresas âncoras afetou o desenvolvimento da produção nacional: “Quando se tem presente que a grande maioria dos carcinicultores brasileiros são micro, pequenos e médios (95%), não resta menor dúvida de que a desarticulação do vitorioso esquema de empresas âncoras (06), que havia comandado o expressivo crescimento setorial (3.600 toneladas em 1997 para 90.360 toneladas em 2003) - contando com recursos financeiros dos importadores norte-americanos e europeus - afetou sobremaneira o desenvolvimento setorial, tanto no tocante à produção (de 90.360 toneladas em 2003 para 77.000 toneladas no ano de 2018) como especialmente, as exportações,” comentou.

ABCC, Bill Hoenig, camarão, GSMC, Itamar Rocha, índia, Vietnã

 
BaresSP publicidade 980x90 bares
 

Notícias do Pescado

 

 

 
SeafoodBrasil 2019(c) todos os direitos reservados. Desenvolvido por BR3