Mortalidade de salmões na Noruega assusta, mas afeta 1% do negócio
Aquicultura

Mortalidade de salmões na Noruega assusta, mas afeta 1% do negócio

Escócia registra problemas com piolho do mar

04 de junho de 2019

arroba publicidade
A proliferação de algas tóxicas vem preocupando o comércio norueguês de salmão e governo estima que a perda já esteja em mais de 13 mil toneladas. Conforme divulgou o Undercurrentnews, nos cálculos aproximados, o valor da biomassa morta está em NOK 800 milhões, ou seja, US$ 91,3 milhões. 
 
Nos fiordes de Nordland foram afetados em torno de 6.000 toneladas (3,5 milhões de peixes e em Troms 6.800 toneladas (4 milhões). Ballangen Sjøfarm, Ellingsen Seafood, Mortenlaks. Sorrollnesfisk, Northern Lights Salmon, Kleiva Fiskefarm, Gratanglaks, Nordlaks, Salaks, Ballangen Sjofarm, Ellingsen Seafood e Mortenlaks são as empresas que foram atingidas, enquanto outras organizações que não foram afetadas já estão retirando seus peixes dos locais.
 
As autoridades e trabalhadores do setor estimam o volume de peixes mortos ainda irá aumentar consideravelmente. De acordo com o portal da Record TV Europa, eles estimam que o número chegue em cerca de 40.000 toneladas, cifra que não corresponde a mais de 1% da produção total da salmonicultura norueguesa. 
 
A luta agora é para limitar os prejuízos: mover ou abater os peixes antes que a alga chegue às suas explorações. No final de maio, a Cermaq informou a evacuação de quatro milhões de salmão de três locais na área de Sagfjord, em Nordland. Dias depois a proliferação retornou a um dos primeiros locais atacados, em Ofotfjord, que pertence a empresa através da sua participação na Ballangen Sjøfarm
 
"Temos uma nova proliferação de algas em Ofotfjord nas últimas 24 horas e perdemos cerca de 50.000 peixes com um peso médio de cerca de três quilos", declarou Astrid Aam, gerente de comunicações da Cermaq à SalmonBusiness. No total, o grupo já perdeu cerca de 2,8 milhões de peixes, que representa 3.500 toneladas de biomassa, conforme a reportagem.
 
Problemas sanitários na Escócia
 
De acordo com a BBC News, são mais de 200 fazendas do peixe que operam no país, produzindo mais de 150.000 toneladas por ano. O salmão escocês também vem travando uma dura batalha contra os piolhos do mar.  
 
Segundo o portal, em 2018 a quantidade de salmão nas fazendas escocesas caiu por causa de tentativas de combater "questões biológicas". Todos os anos, cerca de 9,5 milhões de peixes morrem nas fazendas de salmão, cerca de 20% do total. Doenças, parasitas e até produtos químicos projetados para tratá-los podem ser fatais, diz o veículo.
 
Nos rios do país, o salmão selvagem também segue em queda e as capturas de estão no nível mais baixo desde o início dos registros. Para a BBC, uma das justificativa é atribuída à mudança climática, mas também há preocupações sobre o impacto potencial dos piolhos do mar, à medida que o salmão selvagem passa pelas fazendas de peixes.
 
Crédito da foto: Wikimedia Commons

 
BaresSP publicidade 980x90 bares
 

Notícias do Pescado

 

 

 
SeafoodBrasil 2019(c) todos os direitos reservados. Desenvolvido por BR3