Produção de ração para aquicultura cai 5% no primeiro semestre, diz Sindirações

Produção de ração para aquicultura cai 5% no primeiro semestre, diz Sindirações

Entidade diz que o desempenho é reflexo da estiagem no Sudeste e Sul e desafio sanitário com a mancha branca no Nordeste

13 de setembro de 2017

arroba publicidade
Um balanço do Sindicato Nacional da Indústria de Alimentação Animal (Sindirações) mostra que a produção de rações no Brasil teve uma queda de 1,5% no primeiro semestre ante o mesmo período do ano passado. A demanda foi de 33,1 milhões de toneladas.

De acordo com o sindicato, o setor foi favorecido pelo alívio no preço dos grãos, mas prejudicado pelo cenário econômico. Para Ariovaldo Zani, vice-presidente executivo do Sindirações, "a recuperação no ritmo dos embarques e a ainda lenta retomada do poder de compra, resultado da menor inflação e taxa de juros, parecem já refletir na cadeia produtiva, cuja reação perceptível a partir de julho poderá intensificar-se no segundo semestre, muito embora o desemprego continua resiliente e o ambiente de negócios ainda bastante instável.”

Na visão do órgão, o mergulho do preço do milho e do farelo de soja não foi capaz de motivar o confinamento de bois, a alimentação preparada do rebanho leiteiro e o alojamento de pintainhos e leitões, ao contrário dos produtores de ovos que aproveitaram o alívio do custo desses principais insumos durante todo o primeiro semestre.

Já no âmbito das rações para peixes e camarões, a mancha branca e a estiagem ainda cobram seus efeitos. Segundo o Sindirações, a produção de rações para peixes e camarões durante o primeiro semestre somou pouco mais de 547 mil toneladas, volume 5% menor que no mesmo período do ano passado.

A queda se deveu ao desafio sanitário enfrentado pela carcinicultura no Ceará e Rio Grande do Norte. O povoamento de peixes nas regiões Sudeste e Sul também foi considerado abaixo do esperado, por ainda reverberar "os efeitos da estiagem no ano passado, além do inverno que também reduziu o consumo das rações nas regiões Norte e Centro-Oeste".

Segundo Zani, no segundo semestre o panorama pode se intensificar se a importação de vannamei equatoriano efetivamente começar, mas a piscicultura poderia representar um alívio. "A possibilidade de importação de camarão do Equador pode pressionar ainda mais a demanda das rações, muito embora a procura do varejo pelos produtos da piscicultura nacional possa até compensar esse retrocesso.”

camarões, farelo de soja, milho, peixes, ração aquícola, ração para aquicultura

 
BaresSP publicidade 980x90 bares
 

Notícias do Pescado

 

 

 
SeafoodBrasil 2019(c) todos os direitos reservados. Desenvolvido por BR3