AM quer baratear produção de pirarucu; Estado também investe em sustentabilidade

AM quer baratear produção de pirarucu; Estado também investe em sustentabilidade

01 de maio de 2014

arroba publicidade

A Amazônia é alvo de novos estudos para conservação de espécies pesqueiras. A Universidade Federal do Pará (UFPA), por meio do Laboratório de Biologia Pesqueira e Manejo dos Recursos Aquáticos do Instituto de Ciências Biológicas (ICB) está desenvolvendo o projeto. Porém, enquanto isso, o Grupo de Pesquisa Aquicultura na Amazônia Ocidental, do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTI), vem realizando estudos sobre o uso do farelo de soja como alternativa de ingrediente para tornar a produção de pirarucu cada vez mais barata e competitiva para introduzir a espécie no mercado nacional.


 A líder do grupo de estudos, a pesquisadora do Inpa, Elizabeth Gusmão, em entrevista ao portal Brasil, comparou os preços do farelo de soja com a tradicional farinha de peixe, “O uso da farinha de peixe, cujo preço é bastante elevado (o quilo varia de R$ 2,00, se for nacional, a R$ 5,00 ou R$6,00, se for importada), deverá, nas próximas décadas, desaparecer do mercado. Já o farelo de soja custa R$0,90 o quilo.”


 Elizabeth explica que o Grupo de Pesquisa em Aquicultura tem trabalhado para atender duas demandas: diminuir os custos de produção do pirarucu e encontrar alternativas que possam ser utilizadas no futuro para a criação, não somente do pirarucu, mas de outras espécies de interesse da piscicultura brasileira.



Mercado para o pirarucu




[caption id="attachment_4344" align="alignright" width="384"]Crédito da imagem: Helio Mota/Creative Commons Crédito da imagem: Helio Mota/Creative Commons[/caption]

“O pirarucu, sem dúvida, é um peixe de grande aceitação no mercado regional, nacional e até internacional, portanto, o mercado não é o problema para esta espécie”, ressalta Elizabeth Gusmão, em entrevista ao Portal Brasil. No entanto, para ela, a falta de oferta de pescados deve ser observada, já que não produzimos os alevinos em aquicultura e já que também o Amazonas é maior produtor extrativista deste peixe no país. Além disto, a sustentabilidade e preservação devem ser observadas.


 Segundo pesquisas realizadas no Laboratório de Biologia Pesqueira do UFPA, pela aceitação que têm no mercado, algumas espécies como piramutaba, dourada e principalmente o pirarucu se tornam alvo da exploração seletiva e intensa. 


“Apesar de existirem inúmeras normas que regem a pesca, penso que estas não estão realmente contribuindo com a finalidade para que foram planejadas. A preservação das espécies de peixe e o manejo sustentável da exploração pesqueira extrativa na região requer profissionais com conhecimentos em áreas multidisciplinares (o que inclui a ecologia aquática, genética, geografia, história, economia, ciências sociais, educação, dentre outras), mas, em geral, ainda há uma grande carência, explica a professora Victoria Isaac, coordenadora do Laboratório, em entrevista a CBN Foz.


As pesquisas das universidades do Pará e do Amazonas estão buscando alternativas para baratear o custo a produção, diversificar a oferta de peixe no mercado, e ao mesmo tempo preservar as espécies para garantir sua continuidade.

alevinos, Amazonas, Amazônia, baratear, estudo, farelo, farinha, farinha de peixe, Pará, pesquisa, Pirarucu, soja, sustentabilidade, Universidade

 
BaresSP publicidade 980x90 bares
 

Notícias do Pescado

 

 

 
SeafoodBrasil 2019(c) todos os direitos reservados. Desenvolvido por BR3