Rali dos filés
Indústria

Rali dos filés

Até o próximo ciclo produtivo, a tilápia está fazendo a alegria dos produtores

23 de dezembro de 2020

arroba publicidade
Até o próximo ciclo produtivo, a tilápia está fazendo a alegria dos produtores. A demanda superaquecida desde que o varejo se viu  reasbastecido em pleno momento das “compras de pânico” torna o alto preço da ração e a falta de disponibilidade de alevinos obstáculos
contornáveis.
 
O preço dos filés congelados de tilápia frequentemente ultrapassa R$ 35 na ponta nos dias atuais, o que mostra como o produto conseguiu impor seus atributos - sabor  suave e ausência de espinhas - sobre as tradicionais opções de filés brancos importados: merluza, polaca e panga.
 
Na corrida pelo consumidor ávido por produtos saudáveis e que encaixam no bolso, os argentinos, chineses e vietnamitas assistem à tilápia tomar a dianteira no rali e não dispõem de tantos recursos para enfrentá-la. A disparada do câmbio é o principal obstáculo: com a tradicional barreira dos R$ 20/kg nos supermercados rompida, a competição fica ainda mais desigual.
 
A perda de competitividade dos filés importados é flagrante. De acordo com os dados da plataforma Painel do Pescado, o volume acumulado de importações desta categoria caiu quase 20 mil toneladas em outubro deste ano, na comparação com o mesmo mês do ano passado, quando o volume havia sido de 63,4 mil toneladas. Como resultado, a receita despencou 37,5%, apesar de os exportadores reduzirem o preço médio em 15,5%.
 
Outra análise dos dados compilados pela tecnologia de big data Jubart, no Painel do Pescado, mostram que o desempenho de 2020 no que diz respeito à importação de filés se aproxima do início da década de 2000, quando os volumes ficavam abaixo de 40 mil toneladas. À diferença daquela época, porém, o preço médio passou para US$ 3,09/kg - 20 anos atrás o preço médio era de US$ 1,90. Isso é muito longe do auge do segmento, em 2013, quando o setor importou 175 mil toneladas a um preço médio de US$ 2,72.
 
 
 
Na comparação com os outros competidores internacionais, a Argentina se recuperou nos últimos anos e voltou a liderar. Em 2019, os hermanos importaram até outubro 21,8 mil toneladas ao preço médio de US$ 3,19/kg. Já em 2020 o volume caiu 15,1%, para 18,5 mil toneladas. Nada tão grave, no entanto, como a China - que despencou 60% em volume e 58,8% em receita com as exportações de filés ao
Brasil. Já o Vietnã, mesmo sendo o país que mais reduziu o preço médio em 2020 (-28,5%), exportou apenas 16,7 mil toneladas de panga ao Brasil.
 
Confira a continuação da matéria de Capa da Seafood Brasil #36 "RALI DOS FILÉS" que está disponível aqui.
 
 
Créditos da imagem: Pixabay

aquicultura, filé, merluza, Painel do Pescado, panga, polaca, tilápia

 
BaresSP publicidade 980x90 bares
 

Notícias do Pescado

 

 

 
SeafoodBrasil 2019(c) todos os direitos reservados. Desenvolvido por BR3