Brasil já é o quarto maior produtor mundial de tilápia, diz PeixeBR; veja mapa da piscicultura

Brasil já é o quarto maior produtor mundial de tilápia, diz PeixeBR; veja mapa da piscicultura

Piscicultura brasileira cresceu 8% em 2017

27 de fevereiro de 2018

arroba publicidade
A expansão em São Paulo e Paraná, a recuperação produtiva em Minas Gerais e transição de pólos produtivos no Nordeste (do Ceará para a Bahia) foram determinantes para o crescimento de 8% da piscicultura em 2017, segundo o Anuário da Piscicultura Brasileira 2018, lançado pela PeixeBR em 19 de fevereiro.

O resultado mostra uma aceleração mais acentuada da atividade frente ao ano anterior, quando a estiagem seguiu derrubando a capacidade dos reservatórios desde 2015. “Minas Gerais está se recuperando, pois voltou a chover, e os produtores do Castanhão migraram para a região de Paulo Afonso, na Bahia”, conta Francisco Medeiros, presidente da entidade.

O volume total produzido no País foi de 691,7 mil toneladas, patamar que gerou uma receita de R$ 4,7 bilhões, de acordo com a PeixeBR. A entidade cruza informações dos produtores associados (50% do mercado) e secretarias regionais ligadas à atividade com informações comerciais de fornecedores da cadeia produtiva, como alevinos, ração, premixes e outros.

A tilápia foi protagonista, com 357,6 mil toneladas cultivadas no ano passado, desempenho 13% maior que em 2016. O dado coloca o Brasil na quarta posição mundial da tilapicultura, atrás da China, Indonésia e Egito. No ano passado, a espécie alcançou a maior participação na piscicultura nacional na comparação com grupos de espécies, acima dos peixes nativos (tambaqui, pacu, pirapitinga e híbridos) e de carpas e trutas.

O Paraná permanece na dianteira da tilapicultura, com 105,3 mil toneladas produzidas, à frente de São Paulo (66,1 mil toneladas) e Santa Catarina (32,9 mil toneladas). O Estado também lidera no cômputo geral das espécies, seguido por Rondônia, São Paulo, Mato Grosso e Santa Catarina.

Já os peixes nativos cresceram apenas 2% e Medeiros não vislumbra um aumento importante no próximo ano. “Vejo a tilápia com potencial de crescer 15% em 2018, mas os nativos não devem passar de 2%. Não houve grande avanço tecnológico para estas espécies”, diz Medeiros.

Veja o Mapa do Potencial Produtivo x Produção da Piscicultura em 2017, elaborado pela Seafood Brasil.



 

espécies nativas, pacu, PeixeBR, pintado, pirapitinga, piscicultura, tambaqui, tilápia

 
BaresSP publicidade 980x90 bares
 

Notícias do Pescado

 

 

 
SeafoodBrasil 2019(c) todos os direitos reservados. Desenvolvido por BR3