Com decreto aprovado, piscicultores paulistas agora querem destravar financiamento e isonomia tributária

Com decreto aprovado, piscicultores paulistas agora querem destravar financiamento e isonomia tributária

Setor quer zerar ICMS na cadeia toda e se equiparar às carnes bovina e suína no Estado; decreto destrava investimentos

11 de novembro de 2016

arroba publicidade
Quase cinco anos de muita luta se passaram até que o decreto Nº 62.243, que regulamenta o licenciamento ambiental, saísse a contento dos piscicultores paulistas. Lançado em 1º de novembro com grande alarde e participação de deputados, senadores e o setor produtivo, o documento contemplou as principais reivindicações do setor produtivo – que agora prevê intensa expansão da atividade.

Na cerimônia de lançamento no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo estadual na capital paulista, o governador Geraldo Alckmin fez questão de lembrar do pai homônimo, que foi diretor da autarquia equivalente ao hoje Instituto de Pesca e entusiasta do setor, um dos responsáveis pela introdução da piscicultura no Vale do Paraíba. Fato é que embora se mostre simpático ao setor, o governo paulista ainda não havia avançado com um decreto considerado compatível com a realidade do segmento.

“A atividade de aquicultura foi a primeira a enfrentar o processo de licenciamento ambiental no Estado. Todas as outras atividades agropecuárias exigem apenas o cadastramento”, conta Martinho Colpani, presidente da Câmara Setorial da Aquicultura de SP. “. Um decreto está em discussão desde 2012. “Foram duas versões, mais alterações e prorrogações e eles não conseguiram atingir o licenciamento.” Segundo cálculo de Colpani, apenas cerca de 15 empresas conseguiram o licenciamento a taxas superiores a R$ 7 mil por procedimento. No fim, o custo total ultrapassava R$ 21 mil.

Hoje, mais de 90% da atividade no Estado não tem licenciamento ambiental. Emerson Esteves, presidente da PeixeSP, calcula que pelo menos 12 mil piscicultores, incluindo pesque-pagues, atuem no Estado. “Em viveiro escavado todo mundo era ilegal por conta do lançamento de efluente, já em tanque-rede tinham uma porcentagem pequena legalizada.”

A legalização que o setor agora projeta para acontecer de forma geral em até três anos deve eliminar um dos principais entraves à expansão da atividade: o financiamento. “Acertada a questão do arcabouço e arquitetura jurídica, regularizando e simplificando, a tarefa agora é crédito”, disse o governador à Seafood Brasil. Com o licenciamento ambiental, o produto poderá obter financiamento em programas como o Fundo de Expansão do Agronegócio Paulista, que possui uma linha específica para aquicultura com até R$ 200 mil por produtor (veja aqui mais detalhes), ou Investe SP.

[caption id="attachment_8711" align="alignleft" width="409"]Martinho Colpani, da Câmara Setorial: setor unificou pleitos e ganhou peso nas discussões com a Cetesb Martinho Colpani, da Câmara Setorial: setor unificou pleitos e ganhou peso nas discussões com a Cetesb[/caption]

Uma das primeiras empresas a anunciar investimentos a partir da aprovação do decreto é a Geneseas. “Isso viabiliza alguns planos de expansão dentro do Estado de São Paulo que estavam congelados, pela nossa necessidade de financiamento. São pisciculturas que têm em torno de 3 hectares de lâmina d’água”, antecipa Breno Campolina, presidente da empresa. Para Ramon Amaral, diretor do grupo Ambar Amaral e Brazilian Fish, o decreto vai dar mais confiança a investidores de outros setores. “Um investidor que não conhece a atividade direito não se arriscaria como nós que estamos há mais de 10 anos no ramo. Agora com o decreto existe segurança para investir.”

Além do financiamento, a carga tributária sobre a atividade é a próxima “briga” do setor. Na ocasião de lançamento do decreto, a PeixeSP e o Sindicato das Indústrias da Pesca da Fiesp, entregaram ao governador um estudo que procura demonstrar perda de competitividade de indústrias paulistas em relação a outros Estados. “Estamos pedindo isonomia das proteínas animais. Quero que seja como a carne bovina e suína, que tem isenção de ICMS dentro do Estado, enquanto pescado tem diferimento”, Amaral, cuja empresa coordenou a elaboração do estudo. O diferimento faz com que o ICMS seja pago na ponta, pelo varejo, em uma alíquota de 7%. “Então vamos baratear a carne de peixe no Estado em 7%”, calcula.

De acordo com pesquisa da Embrapa Pesca e Aquicultura relatada pela Seafood Brasil, a tilápia paulista é a mais cara do Brasil. O preço do filé congelado foi vendido no segundo trimestre de 2016 pelo varejo a R$ 44,50, enquanto no Ceará – onde o produto foi comercializado mais barato – o valor apurado é de R$ 27,38. Já no caso da tilápia inteira, a média paulista foi de R$ 12,90, enquanto no Ceará foi 12,32.

Veja a cobertura completa sobre a publicação do decreto com todos os envolvidos e seus impactos na piscicultura paulista, além dos detalhes do documento, na edição #17 da revista Seafood Brasil, que circulará a partir de dezembro.

Leia aqui a íntegra do decreto, conforme publicado no Diário Oficial do Estado de São Paulo em 2 de novembro de 2016.

Tilabras a caminho do licenciamento

O licenciamento, mas na esfera federal e para o frigorífico, também afeta diretamente os planos da Tilabras – projeto da Axial com a Regal Springs que pretende produzir e processar 100 mil toneladas de tilápia anuais em Selvíria (MS). A empresa já instalou 821 tanques no Rio Paraná sob licença prévia do Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul, segundo apurou o Correio do Estado, mas a licença para a construção do frigorífico ainda não foi concedida pelo Ministério da Agricultura (Mapa).

Em 10 de novembro, uma reunião entre técnicos do Ministério da Agricultura, da Secretaria Especial de Pesca e Aquicultura, deputado estadual Eduardo Rocha (PMDB) e senadora Simone Tebet (PMDB) teve como resultado um prazo de 40 dias para novo posicionamento sobre a licença. No cronograma atual, a construção deve começar no início de 2017.

aquicultura, decreto Nº 62.243, espécies exóticas, licenciamento ambiental, piscicultura

 
BaresSP publicidade 980x90 bares
 

Notícias do Pescado

 

 

 
SeafoodBrasil 2019(c) todos os direitos reservados. Desenvolvido por BR3