Olimpíada do Rio pode gerar legado de consumo sustentável ao País

Olimpíada do Rio pode gerar legado de consumo sustentável ao País

04 de dezembro de 2013

arroba publicidade

Crédito da imagem: Divulgação


O Comitê Organizador da Olimpíada do Rio de Janeiro 2016 firmou um compromisso com o governo do Estado do Rio de Janeiro, que pretende garantir que todos os peixes e frutos do mar servidos nos principais restaurantes e, consequentemente, consumidos por atletas, jornalistas e organizadores durante os Jogos Olímpicos e a Paraolimpíada sejam certificados. Ou seja, tenham sido comprovadamente capturados seguindo práticas sustentáveis no Brasil.


O projeto estima servir 14 milhões de refeições durante os eventos. Quem vai certificar os produtos serão as entidades internacionais MSC (Marine Stewardship Council) e ASC (Aquaculture Stewardship Council). A proposta de certificação abrange 13 espécies de pescado.

Para Laurent Viguie, gerente da MSC no Brasil, a iniciativa, que segue o exemplo de Londres durante a organização da Olimpíada de 2012, "vai mudar completamente o 'panorama' de sustentabilidade no Estado do Rio", além de servir como inspiração para outros Estados brasileiros, em entrevista a BBC. 

Julie Duffus, Gerente de Sustentabilidade para o Comitê Organizador Rio 2016, disse ao The Fish Site: "Estamos ansiosos para trabalhar em parceria com a MSC e ASC para apoiar o trabalho respeitado que eles têm feito e continuam a fazer, com a pesca e piscicultura do Brasil. Isso irá garantir que o nosso atendimento não só melhora a indústria de alimentos local, mas melhora o padrão e deixa um legado duradouro e positivo pós Jogos para o país”.


Sustentabilidade brasileira


O governo aposta na aquicultura para atingir essa meta, apesar do método ainda é pouco disseminado em relação aos peixes de água salgada, segundo a assessoria do Ministério da Pesca e da Aquicultura que disse à BBC Brasil que acredita que a aquicultura "será uma grande aliada para garantir a sustentabilidade ambiental nos rios e oceanos ".


Outra opção para melhor a pesca sustentável é a instrução, ou seja, aumentar o conhecimento dos próprios pescadores, já que no Brasil a boa parte da pesca é artesanal e a maioria dos trabalhadores não sabe como minimizar o impacto de suas atividades.


Para melhorar e instruir a população, o governo pretende atualizar e modernizar o Guia de Consumo Responsável de Pescado, lançado em 2009 pela Unimonte, uma universidade de Santos (SP) em parceria com outras organizações e patrocínio da Petrobras.


 guia-de-pescados2

2016, ASC, consumo, msc, Olimpíada, pescadores, Petrobras, Rio, santos, sustentável, Unimonte

 
 

Notícias do Pescado

 

 

 
SeafoodBrasil 2019(c) todos os direitos reservados. Desenvolvido por BR3