Sofia 2018: aquicultura cresce em ritmo mais lento

Sofia 2018: aquicultura cresce em ritmo mais lento

Produção aquícola mundial em 2016 foi de 80 milhões de toneladas de pescado para consumo humano e 30,1 milhões de toneladas de plantas aquáticas

13 de julho de 2018

arroba publicidade
O Sofia 2018 indica que a aquicultura continua a crescer mais rápido que qualquer outro setor produtivo de alimentos, embora não mais a taxas dos anos 1980 e 1990 (11,3% e 10%, excluindo plantas aquáticas). A expansão anual declinou para 5,8% durante o período 2000 a 2016, embora crescimento acima de dois dígitos ainda aconteça em um pequeno número de países, principalmente na África de 2006 e 2010.

A produção aquícola mundial em 2016 foi de 80 milhões de toneladas de pescado para consumo humano e 30,1 milhões de toneladas de plantas aquáticas, bem como 37,9 mil toneladas de produtos não-alimentícios.

A criação de peixes gerou em torno de 54,1 milhões de toneladas no mundo em 2016, enquanto a produção de moluscos chegou a 17,1 milhões de toneladas, de crustáceos chegou a 7,9 milhões de toneladas e outros animais aquáticos representaram 938,5 mil toneladas.



 

A China, de longe o maior produtor de peixe cultivado em 2016, engordou mais do que o resto do mundo somado todos os anos desde 1991. A Índia, Indonésia, Vietnã, Bangladesh, Egito e Noruega vêm na sequência.

A contribuição da aquicultura para a produção global de pescado para alimentação atingiu 46,8%, saindo de 25,7% nos anos 2000. Sem a China, este percentual cai para 29,6% em 2016 e 12,7% em 2000.

No nível regional, a aquicultura respondeu por 18% de toda a produção na África, nas Américas e Europa, seguido por 12,8% na Oceania. A participação da criação de peixe na Ásia passou de 19,3% em 2000 para 40,6% em 2016.

Há dois anos, segundo a FAO, 37 países produziram mais peixe de cativeiro que de captura. Estes países representam quase a metade da população mundial. Já outros 22 países capturavam mais do que criavam em 2016.

A Fao faz uma ressalva sobre a qualidade dos dados. Em torno de 35% a 40% dos países produtores não reportaram dados com qualidade ou exatidão e a entidade calcula que eles representem 15,1% (12,1 milhões de toneladas) da produção total.

 

Este é um especial de quatro matérias sobre a versão 2018 do relatório State of The World Fisheries and Aquaculture (Sofia), publicado a cada dois anos pela Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO/ONU). Leia mais aqui no site Seafood Brasil e no 4º Anuário Seafood Brasil, cuja veiculação ocorrerá em agosto.

Baixe aqui a versão completa do Sofia 2018 em PDF (inglês e espanhol)

Baixe aqui o resumo do Sofia 2018 em PDF (inglês e espanhol)

Acesse aqui o site oficial do Sofia 2018.

aquicultura, camarão, carcinicultura, panga, pesca, Pirarucu, piscicultura, salmão, sustentabilidade, tambaqui, tilápia

 
BaresSP publicidade 980x90 bares
 

Notícias do Pescado

 

 

 
SeafoodBrasil 2019(c) todos os direitos reservados. Desenvolvido por BR3