Expansão no Alasca
Indústria

Expansão no Alasca

Vê-se um 2021, tanto de salmão quanto de peixes brancos, com safras robustas e operações mais adaptadas às restrições pandêmicas

14 de dezembro de 2021

arroba publicidade
Por: Caroline Nascimento, trade & marketing manager do Alaska Seafood Marketing Institute (ASMI) 
 
O mar está para peixe, especialmente no Alasca. Depois de um 2020 complicado, em que vimos a safra de salmão muito abaixo das expectativas e operações enfrentando dificuldades em meio ao auge da pandemia nos EUA, vê-se um 2021, tanto de salmão quanto de peixes brancos, com safras robustas e operações mais adaptadas às restrições pandêmicas.
 
A safra de salmão selvagem foi concluída com capturas 14% acima do projetado para 2021, com mais de 216 milhões de peixes capturados. O destaque vai para os quase 150 milhões de salmões pink (rosa ou rosado) capturados – essa espécie, de excelente custo-benefício, sempre é a estrela da safra em anos ímpares e não foi diferente em 2021. 
 
Quanto à estrela dos peixes brancos, a verdadeira polaca do Alasca proveniente dos EUA teve cota de quase 1,5 milhão de toneladas estipulada para 2021, ligeiramente superior a 2020, separada em duas estações: a safra A, no 1º semestre; e a safra B, no segundo. Enquanto isso, o famoso primo da polaca, o bacalhau do Pacífico teve cota estipulada em quase 130 mil toneladas.
 
Outras espécies de peixes brancos e frutos do mar, como as variadas espécies de peixes planos e rockfish, sablefish/black cod e caranguejos, também tiveram boas cotas estipuladas, o que mantém as operações por todo o Alasca a todo vapor ao longo do ano. 
 
Leia o artigo completo de Caroline Nascimento, trade & marketing manager do Alaska Seafood Marketing Institute (ASMI) no 7º Anuário Seafood Brasil de Produtos, Serviços e Conteúdo.
 
Créditos: Divulgação
 
 

 
BaresSP publicidade 980x90 bares
 

Notícias do Pescado

 

 

 
SeafoodBrasil 2019(c) todos os direitos reservados. Desenvolvido por BR3