Alasca: o caminho compartilhado entre pesquisa e captura
Pesca

Alasca: o caminho compartilhado entre pesquisa e captura

Investimento das agências estaduais e federais em pesquisa para coletar dados é uma prioridade para apoiar a conservação e o gerenciamento

Michael Kohan - 09 de julho de 2019

arroba publicidade
O Alasca tem a indústria de pesca comercial mais produtiva dos Estados Unidos, produzindo mais volume de captura do que todos os outros Estados juntos. A pesca comercial no Alasca cria benefícios substanciais para a economia do Alasca e fornece aos consumidores em todo o mundo frutos do mar sustentáveis e selvagens.
 
A pesca no Alasca é conhecida mundialmente como um modelo para o manejo sustentável. Os esforços dos biólogos, gerentes e formuladores de políticas da região ajudam a garantir estoques saudáveis ​​e pescarias produtivas para os colhedores do Alasca e para as empresas que dependem de suas capturas.
 
Então, o que o modelo de gestão sustentável realmente contém? Bem, a história desempenha um papel importante na forma como o Alasca desenvolveu seu modelo de sustentabilidade. Como o pescado capturado foi reconhecido como criticamente importante para o crescimento do Estado recém-adotado em 1959, o Alasca citou autoridade constitucional para o gerenciamento de recursos renováveis ​​que pertencem ao Estado.
 
Especificamente, “peixe… deve ser utilizado, desenvolvido e mantido no princípio do rendimento sustentável…”
 
Exclusivo na Constituição do Alasca, o princípio do rendimento sustentável é um conceito de gestão segundo o qual o número de peixes que podem ser extraídos em determinadas condições ambientais não reduzirão a base dos estoques pesqueiros, criando um sistema de recursos naturais auto-renovável.
 
O mais importante na gestão da pesca no Alasca é o aspecto cultural e economicamente importante da subsistência no Alasca. As pescarias de subsistência no Alasca são administradas por autoridades estaduais e federais e definidas como prioridade para alocação antes de outros grupos de usuários. Há muitas oportunidades de pesca de subsistência nas diferentes regiões do Alasca.
 
A maneira mais fácil de entender as múltiplas pescarias do Alasca é descrever geograficamente a gestão estatal (0-3 milhas náuticas da costa), federal (3-200 milhas náuticas offshore) e águas internacionais.
 
Nas águas do Estado, o Departamento de Pesca e Caça do Alasca (ADFG) administra a pesca com a função de equilibrar as necessidades de subsistência, pesca esportiva e colheitas comerciais, bem como conduzir avaliações de habitat para conservar ambientes saudáveis ​​para os recursos pesqueiros.
 
A gestão dos peixes, crustáceos e moluscos colhidos nas águas do Estado é um processo público conduzido pelos diferentes grupos de usuários no Alasca. As comunidades no Alasca elegem comitês consultivos regionais para transmitir a voz do público em questões para o Board of Fish, um painel de assessores de recursos eleito pelo governo.
 
O Conselho de Pesca considera as recomendações dos cientistas do ADFG e as propostas do comitê consultivo para tomar decisões políticas para a gestão dos recursos pesqueiros no Alasca.
 
Para o salmão colhido em águas estatais, os biólogos realizam pesquisas específicas para avaliar populações de estoques e os gerentes usam o monitoramento na estação para saber números em tempo real de colheita e escapamento (um número de safras que escapam para desovar em seus córregos natais para fornecer a próxima geração de salmão) em sistemas fluviais individuais e áreas de pesca das águas do Estado do Alasca.
 
Em águas federais, também conhecidas como Zona Econômica Exclusiva, a Administração Oceanográfica e Atmosférica Nacional (NOAA) é responsável pela gestão da atividade nos EUA. A pesca marinha dos EUA é a maior do mundo, cobrindo 4.4 milhões de milhas quadradas do oceano.
 
Em 1976, a Lei de Conservação e Gestão da Pesca Magnuson Stevens (MSA) foi adotada pelo governo dos EUA. O MSA criou os conselhos regionais de gestão de pescas e as pescarias federais do Alasca são geridos pelo Conselho de Gestão das Pescas do Pacífico Norte (NPFMC). Este conselho desenvolve planos de manejo pesqueiro e objetivos de pesquisa para frutos do mar do Alasca extraídos pelo governo federal.
 
Os biólogos da NOAA conduzem pesquisas e projetos regionais de pesquisa para gerar avaliações de estoques e relatórios de avaliação da pesca para fornecer a melhor ciência disponível ao comitê científico e estatístico que apóia, no final das contas, os tomadores de decisão no NPFMC em relação às decisões de cota de captura.
 
O processo do conselho é transparente, permitindo que o público, incluindo pescadores, membros da comunidade e outros grupos de usuários, testifique e expresse suas preocupações sobre certas decisões de alocação e cota. Não só as pescarias federais são monitoradas durante a temporada, todas as espécies que são coletadas na captura, incluindo as espécies não-alvo, são contabilizadas por cientistas a bordo que são observadores terceirizados relatando dados para a NOAA.
 
Em uma plataforma internacional, existem duas comissões distintas que trabalham com o ADFG e a NOAA para gerenciar e conservar as populações de peixes que são migratórias por natureza e compartilhar o habitat entre o Alasca e o Canadá. Para a colheita recreativa e comercial de halibut (alabote), a International Pacific Halibut Commission (IPHC) realiza pesquisas e gerencia a alocação de captura para colheitadeiras dos EUA e do Canadá.
 
O IPHC, um painel de cientistas e formuladores de políticas de ambos os países, trabalha em colaboração com a NOAA e o ADFG para estabelecer cotas para pescadores comerciais e níveis de colheita de diretrizes para rec.pescadores reacionais. O IPHC monitora as pescarias de alabote no Alasca colocando cientistas em instalações de processamento de frutos do mar em terra para coletar dados sobre a colheita e financiando projetos de pesquisa para se manterem atualizados sobre questões relativas a estoques de alabote.
 
Em relação ao salmão, a Pacific Salmon Commission é uma organização internacional de comissários e representantes da pesca comercial e recreativa, assim como governos federais, estaduais e tribais. O seu papel é implementar o Pacific Salmon Treaty, um acordo entre o Alasca e o Canadá em 1985 para evitar a sobrepesca, proporcionar uma produção ótima e garantir que ambos os países recebam benefícios iguais à produção de salmão originário de suas águas.
 
Como os salmões selvagens do Pacífico são altamente migratórios, em 1993, o Canadá, Japão, Federação Russa, República da Coréia (unida em 2003) e os EUA adotaram a Convenção para a Conservação de Estoques Anádromos no Oceano Pacífico Norte. A Comissão de Peixes Anádromos do Pacífico Norte foi estabelecida pela convenção e é uma organização intergovernamental internacional com a missão de promover a conservação de estoques de anádromos (salmão do Pacífico e truta) através de pesquisas científicas na área de convenções do Pacífico Norte.
 
E, finalmente, para abordar a necessidade de estratégias e pesquisas em torno de um ambiente marinho em mudança, os cientistas combinam dados de múltiplas plataformas e os incorporam em modelos para estimar a dinâmica da população e dos ecossistemas. Um conjunto crítico de dados nesses modelos são os dados de séries temporais que monitoram a bacia para mudanças no clima e no ecossistema em escala local ao longo do tempo, sem excluir dados de conhecimento sociocultural, econômico e tradicional.
 
O investimento das agências estaduais e federais em pesquisa para coletar dados é uma prioridade para apoiar a conservação e o gerenciamento dos recursos marinhos do Alasca.
 
Então, o que o modelo de gestão sustentável realmente contém? Como se pode ver, é um sistema abrangente e colaborativo com uma estrutura adaptável a mudanças nos problemas das partes interessadas, bem como na dinâmica do ecossistema.
 
É crítico para as práticas de manejo sustentável da pesca no Alasca o apoio à pesquisa em andamento para obter a melhor ciência disponível  que apoie a tomada de decisões políticas para conservar os recursos de frutos do mar do Alasca para as próximas gerações.

pesca, sustentabilidade, gestão de estoques, cotas, Alasca

Sobre Michael Kohan
 
  • Michael Kohan é diretora técnica do Alaska Seafood Marketing Institute
 
BaresSP publicidade 980x90 bares
 

Notícias do Pescado

 

 

 
SeafoodBrasil 2019(c) todos os direitos reservados. Desenvolvido por BR3