ARTIGO | Importamos salmão do Chile com inteligência?

ARTIGO | Importamos salmão do Chile com inteligência?

Texto assinado por pesquisadores do Pecege mostra que o caminho pelas importações head on pode estar equivocado

19 de outubro de 2017

arroba publicidade
por Rafael Simões Coelho Barone e Murilo Guilger*

Uma das principais espécies de pescado importadas pelo mercado nacional é o salmão, proveniente do Chile, tem ainda como seus principais mercados os EUA, Brasil e Japão. No entanto, há uma grande diferença entre o método de processamento do salmão importado pelo Brasil com relação ao salmão originado do Chile para os demais destinos.

Existem diversos cortes padronizados para o salmão, que variam do mais simples denominado H/ON, que significa “Head On” (com cabeça) até mais elaborados que são retiradas as espinhas intramusculares, a pele, aparas de gordura, como é o caso dos Trim D, E e F. Essa padronização é importante para a garantia de qualidade, padrão e comparação entre os produtos de diversas indústrias processadoras. A seguir são apresentados alguns exemplos de cortes padrão para o salmão (Figura 1).

[caption id="attachment_9276" align="aligncenter" width="371"]Figura 1 - Tipos de processamento do salmão no comércio internacional. Legenda: H/ON: sem vísceras; Trim A, sem espinha dorsal e ventral; Trim C, trimA, sem nadadeiras dorsais, sem gordura ventral e sem espinhas intramusculares; Trim D, trimC, sem aparas do dorso e ventre, retirada de toda gordura e apara da nadadeira caudal; Trim E, trimD sem a pele Trim F, trimE sem a linha de musculatura escura. Fonte: Adaptado de SalmoNex (2012), Imagens Bom Peixe. Figura 1 - Tipos de processamento do salmão no comércio internacional.
Legenda: H/ON: sem vísceras; Trim A, sem espinha dorsal e ventral; Trim C, trimA, sem nadadeiras dorsais, sem gordura ventral e sem espinhas intramusculares; Trim D, trimC, sem aparas do dorso e ventre, retirada de toda gordura e apara da nadadeira caudal; Trim E, trimD sem a pele Trim F, trimE sem a linha de musculatura escura.
Fonte: Adaptado de SalmoNex (2012), Imagens Bom Peixe.[/caption]

 

 

Ao observarmos as importações brasileiras, chama atenção que a maior parte do volume importado de salmão é o corte H/ON, enquanto que nos demais países há uma variação entre os cortes Trim C, D e E, mas nenhum volume de H/ON. O preço entre os cortes é muito diferente, sendo o H/ON o mais barato. No entanto, para compararmos os valores entre os cortes é necessário transformarmos o H/ON para o seu peso útil, referente as perdas do processamento.

Essa transformação varia em função do tamanho do animal e do tipo de corte, reduzindo o rendimento à medida que aumenta o nível de processamento (Tabela 1).

[caption id="attachment_9277" align="aligncenter" width="428"]Tabela 1 - Variação do rendimento de carcaça em função do tamanho da matéria prima e do nível de processamento. Fonte: Adaptado de Leroy (2014) Tabela 1 - Variação do rendimento de carcaça em função do tamanho da matéria prima e do nível de processamento.
Fonte: Adaptado de Leroy (2014)[/caption]

Considerando essas informações de rendimento, o preço do salmão H/ON e do Trim D, que é o principal corte importado pelos EUA, construiu-se um gráfico de variação de preços (Figura 2).

[caption id="attachment_9278" align="aligncenter" width="566"]Figura 2 - Variação de preços do salmão nos cortes H/ON e Trim D entre 2015 e 2017 e o equivalente em preço do rendimento de processamento do H/ON. Fonte: SalmoNex Elaboração: Pecege – ESALQ/USP Figura 2 - Variação de preços do salmão nos cortes H/ON e Trim D entre 2015 e 2017 e o equivalente em preço do rendimento de processamento do H/ON.
Fonte: SalmoNex
Elaboração: Pecege – ESALQ/USP[/caption]

 

Observa-se que o preço do H/ON se mantém abaixo do Trim D ao longo de todo o período, no entanto, considerando o rendimento de 42,5% observamos que o preço do H/ON se mantém acima do Trim D e, mesmo considerando um rendimento melhor de 55%, que seria o equivalente a um processamento para Trim A, ainda sim, a estratégia de aquisição do H/ON não se mostra viável.

Ressalta-se ainda que essa análise não leva em consideração os custos indiretos do processamento, com relação ao descarte e destinação dos resíduos gerados e também com a eficiência de logística do produto, uma vez que o transporte de H/ON, possui uma eficiência menor comparativamente ao Trim D, uma vez que são transportadas partes do animal que possuem nenhum ou pouco uso comercial (nadadeiras, órgãos da cabeça, ossos e espinhas) ocupando volume útil das caixas de transporte. Caso esses custos fossem estimados, encareceriam ainda mais o valor do H/ON frente ao valor dos outros tipos de corte disponíveis no mercado.

Rafael_Murilo


 

 

 

 

 

*Rafael Simões Coelho Barone e Murilo Guilger são pesquisadores do Instituto Pecege 

com cabeça, head on, importação de salmão, salmão, salmão Atlântico, salmão do Chile

 
BaresSP publicidade 980x90 bares
 

Notícias do Pescado

 

 

 
SeafoodBrasil 2019(c) todos os direitos reservados. Desenvolvido por BR3