2022 será o Ano Internacional da Pesca Artesanal e da Aquicultura
Pesca

2022 será o Ano Internacional da Pesca Artesanal e da Aquicultura

FAO lançou o Ano Internacional da Pesca Artesanal e da Aquicultura (IYAFA 2022) na sexta-feira (19)

22 de novembro de 2021

arroba publicidade
A Assembleia Geral das Nações Unidas declarou 2022 como o Ano Internacional da Pesca Artesanal e da Aquicultura (IYAFA 2022). O IYAFA 2022 se enquadra na Década da Agricultura Familiar das Nações Unidas, iniciada em 2019, em celebrações que visam proporcionar maior visibilidade aos pequenos produtores. O ano também pode funcionar como um trampolim para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) até 2030.
 
A FAO, a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação, destacou a visão de um mundo no qual os pescadores artesanais, piscicultores e demais trabalhadores da pesca sejam totalmente reconhecidos e capacitados para continuar suas contribuições para o bem-estar humano, sistemas alimentares saudáveis ​​e erradicação da pobreza por meio do uso responsável e sustentável dos recursos pesqueiros e da aquicultura.
 
Um grande número de eventos - de exposições a apresentações culturais, concursos, painéis de discussão e conferências - vão ocorrer em todo o mundo para marcar o Ano Internacional da Pesca Artesanal e Aquicultura. Saiba mais sobre o IYAFA 2022 aqui.
 
IP alinhado às iniciativas do Ano Internacional da Pesca e Aquicultura Artesanais
 
No último domingo (21) também foi celebrado o Dia Mundial da Pesca, instituído em 1998 pela própria FAO. No Brasil, o dia 22 de novembro foi escolhido para ser lembrado como Dia Nacional da Luta pela Pesca Artesanal. Para a data, o Instituto de Pesca (IP-APTA), destaca seus trabalhos em pesquisas e projetos alinhados às ações internacionais como a iniciativa do Ano Internacional da Pesca e Aquicultura Artesanais.
 
Ambas as datas têm o objetivo de dar destaque à importância social, econômica e cultural do setor pesqueiro, sobretudo de pequena escala, que, por meio do trabalho de milhares de trabalhadores e pescadoras, alimenta milhões de pessoas por todo o planeta. São dias também para despertar a consciência de que o trabalho na pesca não é apenas uma profissão, mas um modo de vida de muitas pessoas que se dedicam à atividade.
 
Neste cenário, destaca-se o Projeto Missão Pesca Artesanal, que envolve o Instituto de Pesca, a UNESP e a Empresa Lex Experts, comunidades pesqueiras e profissionais engajados a apoiar trabalhadores(as) do setor, por meio da regularização sanitária de seus produtos; valorização de sua cultura; promoção da qualidade de vida em seus territórios, políticas públicas e conscientização da sociedade.  
 
A ação mais recente do projeto foi a palestra “Pesca Artesanal: a invisibilidade do setor que nutre milhões de pessoas ao redor do mundo”, ministrada por Tatiana Cardoso, líder da comunidade Enseada da Baleia; Sarah de Oliveira, da Lex Experts, e Ingrid Cabral Machado, pesquisadora científica do Instituto de Pesca, no palco do Mesa Tendências, parte integrante do maior evento de gastronomia do país, o Mesa São Paulo, realizado no Memorial da América Latina entre os dias 19 e 21 de novembro. 
 
Dentre os temas apresentados a renomados chefs, comerciantes e demais interessados, destaca-se o reconhecimento da importância da Pesca Artesanal, por meio de ações como a formalização trabalhista, equidade de gênero dos profissionais e a regulação sanitária, que, segundo a pesquisadora Ingrid Cabral é fundamental para que haja inclusão e justiça social para os pescadores e para que o pescado que já chega à mesa das famílias brasileiras seja seguro ao consumo.
 
A pesquisadora ressalta ainda a desafiadora questão de defesa dos territórios, dizendo que eles “estão mais protegidos quando as comunidades que dependem dos recursos e conhecem a ecologia do local estão ali presentes, trabalhando, com seus direitos e acessos assegurados”. 
 
Os desafios recorrentes do setor como a sobrepesca, pesca não regulamentada, questões climáticas e territoriais, busca por melhores condições e direitos dos profissionais que atuam no setor, dentre outros, foram potencializados devido à pandemia de COVID-19, gerando queda de 6,5% na produção pesqueira global, segundo relatório da FAO de 2020, que, assim como outras organizações, tem dado atenção e apoio para que o setor possa se reestabelecer.
 
O Instituto de Pesca diante dessas ações nacionais e internacionais, unido aos agentes da cadeia produtiva do pescado e por meio de seus projetos, celebra as datas com expectativas positivas diante do que está previsto para os próximos anos, fazendo coro à expressão “Pequena escala, grande valor!”.
 
Créditos: Pixabay

 
BaresSP publicidade 980x90 bares
 

Notícias do Pescado

 

 

 
SeafoodBrasil 2019(c) todos os direitos reservados. Desenvolvido por BR3