CONNECT discute produção, intercâmbio e sustentabilidade do pescado
Comercialização

CONNECT discute produção, intercâmbio e sustentabilidade do pescado

Programação do 2º dia programação ainda teve mais dois painéis e Workshops sobre indústria e também a sustentabilidade

20 de outubro de 2021

A produção, o intercâmbio industrial, a promoção e a sustentabilidade do pescado estiveram no foco do Seafood Show Latin America Connect nesta terça-feira (19).
 
A programação do dia foi aberta por Amy Novogratz, fundadora do fundo de investimentos Aqua-Spark. Ela dividiu a apresentação com Valerie Robitaille, CEO da XpertSea, que trouxe exemplos de aplicação na produção da empresa. 
 
Novogratz explicou que o grupo começou a olhar para a aquicultura ao perceber que a indústria precisava de uma forma diferente de pensar em crescimento e no investimento através de fundos que pudessem englobar lugares, espécies e sistemas.
 
“Nós investimos em toda a cadeia de valor com um portfólio global que acessasse o ecossistema vivo e trabalhasse nos lugares necessários para criar uma visão compartilhada de que a aquicultura pode ser transparente, rastreável e mais lucrativa. Nós queríamos ter um sistema alimentar perfeito”, disse.
 
 
Apesar de ser um fundo financeiro, o Aqua-Spark se considera um holding. O grupo quer construir, conforme Novogratz , o que acredita ser o mapa de como escalonar a aquicultura para duplicar a produção de pescado e também compartilhar com setor exemplos de portfólio que mostram bons retornos quando comparados com a indústria atual. 
 
A aquicultura brasileira Fisher, conhecida principalmente pela engorda no reservatório Aqua Vermelha com sistema de tanques-rede circulares e alimentadores automáticos integrados foi um dos exemplos apresentados por Amy. 
 
Promoção global de pescado
 
O primeiro painel do dia trouxe a “Promoção Global de Pescado” e contou com a participação de Karl Berger, gerente de Pesca do PromPerú; Edgar Novoa Villavicencio, diretor Comercial do escritório Pro Equador em São Paulo e Øystein Valanes, diretor do Conselho Norueguês da Pesca.
 
Carolina Nascimento, representante na América Latina do Alaska Seafood Marketing Institute (ASMI) completou os palestrantes do painel e falou como a  ASMI tem unificado esforços para promoção do marketing de seus produtos de pescado na América Latina.
 
A ASMI é uma parceria entre o setor público e privado para a promoção dos peixes do Alasca, nos EUA. A região produz cerca de 2,5 milhões de toneladas de pescado por ano e tem uma grande diversidade de produtos pesqueiros, com a sua grande maioria enviada ao exterior.
 
 
Hoje, o maior mercado de exportação dos produtos do Alasca é a China, movimentando mais de US$ 700 milhões. Já para a América do Sul, as exportações somam cerca de US$ 35 milhões, mas quando acrescentado o México e a América Central, o número fica próximo a US$ 100 milhões. “Sempre que olho para esses números vejo o potencial de crescimento. Muita coisa pode ser feita”, completou.
 
Intercâmbio Industrial Latino-Americano
 
Na sequência, um "Intercâmbio Industrial Latino-Americano" trouxe representantes de várias entidades de pescado da América Latina. Representante do Brasil, Pablo Rillo, diretor da Associação Brasileira de Fomento ao Pescado (Abrapes), ressaltou que o pescado é um negócio internacional bem antes da internet e da globalização. “Até porque pelos peixes que tem em um país e tem em outro", falou.
 
Conforme ele, sempre houve um grande intercâmbio entre os países e as grandes empresas de pescado, fator amplificado pela globalização e por suas facilidades.
 
Após Rillo, a importância da indústria da pesca para a segurança alimentar no México e os demais mercados foi abordada por Humberto Becerra Batista, presidente da Cámara Nacional de la Industria Pesquera y Acuícola.Osciel Velásquez Hernández, presidente ALPESCAS, ampliou o debate para toda a América Latina.
 
Workshop - Indústria
 
Representantes da Espanha, Estados Unidos e Brasil formaram o Workshop focado nas principais inovações da indústria global de pescado. A diretora de Inovação e Insights da Mintel, Lynn Dornblaser, trouxe ao evento uma atualização sobre a tendência mundial de novos produtos e inovações de pescado com foco na América Latina.
 
A indústria 4.0 foi tema da apresentação do espanhol Roberto Alonso, secretário-geral adjunto de ANFACO-CECOPESCA. Enquanto a diretora do Instituto de Pesca de São Paulo, Cristiane Pinheiro Neiva, teve o desafio de apresentar experiências da academia e do setor privado para técnicas de processamento e aproveitamento integral do pescado. 
 
 
Segundo Neiva, sobre as questões relacionadas a utilização dos subprodutos de pescado, a busca é principalmente para evitar o desperdícios de nutrientes, para desenvor produtos com valor agregado, pela viabilidade econômica da utilização desses subprodutos e para reduzir a poluição ambiental.
 
Já a questão ambiental é imprescindível quando se fala de aproveitamento dos subprodutos. “Os problemas ambientais e a crise dos recursos demonstram essa necessidade de avançarmos de forma sustentável, com a introdução dessas novas tecnologias para produção de alimentos e principalmente considerar a segurança alimentar e o melhor aproveitamento das diferentes matérias-primas”, completou Neiva.
 
Os atuais projetos de pesquisa da instituição estão alinhados aos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU.
 
Workshop - Sustentabilidade
 
A sustentabilidade também foi tema do último Workshop do dia. Wagner Cotroni Valenti, professor do Programa de Pós-Graduação em Aquicultura da UNESP, trouxe os “Critérios de Sustentabilidade para a Economia Azul''. Na sequência, Cintia Miyaji,diretora-executiva da Paiche Consultoria e Treinamento, discutiu a “Articulação do Setor Privado em Prol da Sustentabilidade.”
 
A iniciativa OpenTuna foi tema da última apresentação com Rodrigo Hazin, presidente da Norte Pesca. A plataforma foi desenvolvida com apoio técnico da Global FishingWatch, e é uma iniciativa para promoção da transparência dos dados de capturas das pescarias comerciais de atuns. 
 
A OpenTuna ainda reúne empresas da Aliança do Atlântico para o Atum Sustentável (AAAS), além das entidades Oceana, Global Fishing Watch, Projeto Albatroz, Fundação Pró-Tamar, UFRPE e Paiche Consultoria. 
 
Seafood Show Latin America CONNECT
 
Iniciativa inédita na América Latina, o Seafood Show Latin America CONNECT foi criado pela Francal Feiras e Seafood Brasil para estimular a integração do mercado do pescado entre os países da América Latina entre si e do continente com outros países, por meio de negócios, conteúdo e atualização. Confira a programação detalhada com os horários das apresentações aqui.

Créditos: Seafood Show Latin America/Reprodução

 

 

Seafood Show Latin America CONNECT

aproveitamento integral de pescado, exportação de pescado, Francal Feiras, ODS, ONU, OpenTuna, seafood brasil, Seafood Show Latin America CONNECT

 
BaresSP publicidade 980x90 bares
 

Notícias do Pescado

 

 

 
SeafoodBrasil 2019(c) todos os direitos reservados. Desenvolvido por BR3