Brasil assina Declaração de Copenhague contra crime na pesca
Pesca

Brasil assina Declaração de Copenhague contra crime na pesca

Projeto Blue Justice é uma iniciativa do governo da Noruega e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (UNDP)

22 de abril de 2021

arroba publicidade
O secretário da SAP/Mapa, Jorge Seif Jr., assinou nesta quinta-feira (22) a Declaração de Copenhague em adesão do Brasil à iniciativa Blue Justice, ação transnacional contra o crime organizado na indústria pesqueira. O projeto Blue Justice é uma iniciativa do governo da Noruega e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (UNDP, sigla em inglês).
 
O Brasil foi o 9º país da América Latina a aderir à declaração. No evento, Seif Jr., disse que a pesca é um negócio internacional multibilionário e, como o consumo vai continuar a crescer, os crimes associados ao segmento precisam ser controlados. “O crime está pegando carona neste crescimento e algo precisa ser feito”, pontuou o secretário.
 
Paulo Roberto Ribeiro Guimarães, embaixador do Brasil em Oslo, reforçou que a assinatura é simbólica. “O Brasil quer mandar uma mensagem forte de comprometimento com o combate ao crime nos oceanos e preservação dos recursos marinhos”, disse.
 
O evento também teve a presença do ministro da Pesca e Frutos do Mar da Noruega, Odd Emil Ingebrigtsen, e do secretário do Ministério das Relações Exteriores da Noruega e representante da primeira-ministra para o Painel de Alto Nível para uma Economia do Mar Sustentável, Jens Frolic Holthe e o do embaixador da Noruega no Brasil, Nils Martin Gunneng,
 
ministro da Pesca e Frutos do Mar, Odd Emil Ingebrigtsen, comentou que neste ano o foco na recuperação sobre a situação da Covid-19 é compartilhado entre todos. Para ele, a indústria da pesca tem um papel fundamental neste processo, mas que o crime organizado transnacional está ameaçando-a. A declaração começou em 2018, em Copenhagen, e desde então a adoção aumentou de 9 para 34 declarantes. “Há a importância do apoio do Brasil e dos outros países, como grandes nações que são”, falou.
 
Jens Frolich Holthe, secretário do Ministério das Relações Exteriores da Noruega, destacou a importância do trabalho do grupo e sublinhou que o papel da América Latina é fundamental. “Temos 9 de 34. O Brasil tem uma costa que é muito importante para a identidade nacional”, destacou. Segundo ele, o painel reúne mais 30 outros países, além da Noruega, que buscam avaliar como produzir mais sem aumentar a pressão sobre os recursos oceânicos. “Precisamos fazer isso de uma forma sustentável. A mais importante recomendação é ter 100% de controle sobre o gerenciamento dos oceanos até 2025”.
 
“Isso é muito importante. Ambos os países [Brasil e Noruega] estão entre as nações com as maiores costas do mundo e, com isso, vem muita responsabilidade. O crime nos oceanos é uma questão que cruza fronteiras e sabemos do compromisso do Brasil no combate ao crime internacional”, falou o embaixador da Noruega no Brasil, Nils Martin Gunneng.
 
Para ele, a questão é como continuar obtendo recursos do mar, destacando que para o Brasil e a Noruega, isso tem um foco particular, principalmente porque nos últimos 170 anos o país exportou bacalhau ao Brasil. “A nossa vontade de trabalhar juntos vai nos ajudar a manter este comércio”, falou.
 
Créditos da imagem: Pixabay
 
 
 

bacalhau, Blue Justice, crime na pesca, Declaração de Copenhague, indústria pesqueira, Jorge Seif Jr., Noruega, pesca, UNDP

 
BaresSP publicidade 980x90 bares
 

Notícias do Pescado

 

 

 
SeafoodBrasil 2019(c) todos os direitos reservados. Desenvolvido por BR3