Fortes chuvas afetam produção de peixes e outros alimentos em MG
Aquicultura

Fortes chuvas afetam produção de peixes e outros alimentos em MG

376 cidades mineiras se encontram em situação de emergência devido às chuvas no Estado

17 de janeiro de 2022

arroba publicidade
As fortes chuvas que ajudaram a provocar tragédias em Minas Gerais nos últimos dias também estão afetando as produções de alimentos e causando impactos nas pisciculturas da região. Dados da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Minas Gerais (Emater-MG) mostram que, no Estado, cerca de 127 mil produtores rurais sofreram algum tipo de dano por causa das chuvas das últimas semanas. A condição foi relatada em 416 municípios do Estado (48,7% do total). 
 
Ailton Batista, empresário e produtor de tilápia em Morada Nova, Minas Gerais, comenta que a piscicultura na região tem sido prejudicada de diversas maneiras. “Em várias regiões do Estado as estradas foram fechadas. Desmoronamento, desbarrancamento e pontes chegaram a cair. Então, isso dificulta a negociação do peixe tanto das pisciculturas quanto dos frigoríficos”, falou.
 
A piscicultura de Batista produz cerca de 180 toneladas/mês de tilápia e também tem um frigorífico que abate em torno de 5 a 6 toneladas/dia do peixe. Ele explica que a situação restringiu o acesso a alguns mercados, gerando acúmulo de produtos e impactos nos preços. “E aí vem a lei da oferta”, completa.
 
Atualmente, o kg da tilápia sai por R$ 7,50 na região, mas em condições “normais”, o kg é cerca de R$8. “A esperança é a aproximação da Quaresma para o pessoal baixar os estoques”, destaca Ailton.
 
As expectativas são que as previsões de melhora do tempo se concretizem e que a região tenha diminuição do volume de chuvas nos próximos dias. “Para ver se ameniza um pouco a situação nas estradas e consequentemente tentar escoar a produção também, que com esse tempo de geral no Estado teve bastante quedas”, contou.
 
Produções em alerta
 
O Emater-MG conta que entre os municípios com estimativa de áreas afetadas, a produção de feijão primeira safra foi a mais prejudicada, com 42,2% da área a ser colhida. Já na produção de hortaliças, é estimado comprometimento de 37% da área, principalmente nas regiões Nordeste, Leste e Central de Minas Gerais. A produção de milho (safra verão) tem uma estimativa de 23,3% de área afetada, com destaque para as regiões Norte, Nordeste e Central.
 
Abastecimento
 
De acordo com informações coletadas pela Emater-MG na CeasaMinas, até o momento não houve nenhum impacto significativo na disponibilidade de frutas e hortaliças para o mercado atacadista. Porém, em algumas praças da Ceasa no interior, houve redução de produtos como beterraba, mandioca, quiabo e batata-baroa, comercializados nos mercados locais e regionais.
 
Nos bolsões verdes das regiões metropolitanas, onde se concentra a maior produção de folhosas, ainda há possibilidade de impacto no abastecimento por causa das condições climáticas.
 
Há, ainda, alguns pontos de interdição em rodovias que podem prejudicar o escoamento de produtos como morango e batata, principalmente nas regiões Sul e Campo das Vertentes.
 
Pecuária
 
Na pecuária leiteira, a estimativa da Emater mostra que, nos municípios prejudicados pelas chuvas, 21,4% da produção de leite foi comprometida, principalmente nas regiões Nordeste, Leste e Central. Uma pesquisa feita pelos técnicos da empresa com 96 laticínios no estado indicou que, em média, a queda na captação de leite foi de 9%, principalmente pela dificuldade de deslocamento em algumas localidades.
 
Outras atividades que registram possibilidade de dano com as chuvas foram piscicultura (28,3%), avicultura caipira (23,7%), pecuária de corte (17,7%) e suinocultura caipira (15%).
 
Chuvas volumosas
 
O ClimaTempo informa que Minas Gerais passou por semanas de tempo muito instável e chuvas volumosas onde a formação de diversas Zonas de Convergência do Atlântico Sul (ZCAS) próximas ao Sudeste do País, tiveram grande influência na condição de tempo.
 
Conforme o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) e o Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (CEMADEN), até a quinta-feira (13), as cidades que registraram os maiores volumes de chuva do País, estão situadas em Minas Gerais: Florestal, Brumadinho e Betim. 
 
Nos três municípios, o volume de água das chuvas triplicou com relação à média Climatológica das cidades. Para os próximos dias, a tendência é que a chuva perde força e o tempo fique firme em grande parte do Estado. A chuva só deverá persistir nas áreas mais ao Sul do Estado, Zona da Mata e parte da Região Metropolitana de Belo Horizonte, mas as pancadas vão ocorrer sem grandes acumulados e de forma mais pontual, intercalando com períodos de melhoria. 
 
Calamidades
 
As chuvas no Estado também provocaram deslizamento do bloco rochoso que causou a morte de dez pessoas no sábado (8), em Capitólio. Como destaca o G1, o acidente fez com que o Ministério Público Federal (MPF) recomendasse a três municípios que interditem o acesso a áreas de cânions no Lago de Furnas. Em Ouro Preto, outro ponto turístico do Estado, um morro deslizou e destruiu um casarão histórico do século 19 – ninguém se feriu. Conforme a Agência Brasil, o imóvel estava interditado desde 2012.
 
O governador do Estado, Romeu Zema anunciou, na sexta-feira (14/1), R$ 560 milhões para ações nas cidades atingidas pelas fortes chuvas. A informação foi dada durante agenda em Raposos, na região metropolitana de Belo Horizonte. A Agência de Minas diz que a cidade foi diretamente impactada pela cheia do Rio das Velhas e está em situação de emergência devido às enchentes. Cerca de 60% do município encontra-se inundado. A estimativa é que 3 mil pessoas perderam suas casas.
 
Zema ressaltou ainda que o Governo de Minas solicitou nesta semana outros quase R$ 940 milhões ao governo federal para apoiar as cidades afetadas. “Solicitamos ajuda ao governo federal para reconstrução do Estado”, completou.
 
Até esta sexta-feira (14/1), de acordo com a Defesa Civil, 376 cidades mineiras se encontram em situação de emergência devido às chuvas, o que corresponde a 44% do Estado. Mais de 40 mil pessoas estão desabrigadas e desalojadas, além de 25 mortes terem sido registradas.
 
Créditos: Pixabay
 
 
 

https://www.emater.mg.gov.br/portal.do/site-noticias/chuvas-afetam-cerca-de-127-mil-produtores-rurais-de-minas-gerais/?flagweb=novosite_pagina_interna_noticia&id=26184

Ailton Batista, Cemadan, chuvas em Minas Gerais, EmaterMG, Inmet, piscicultura, Quaresma, Romeu Zema, tilápia

 
BaresSP publicidade 980x90 bares
 

Notícias do Pescado

 

 

 
SeafoodBrasil 2019(c) todos os direitos reservados. Desenvolvido por BR3